1 comment

Crítica: Escape From Tomorrow – O filme que a Disney não quer que você veja

by on setembro 27, 2013
 

Compartilhe!Share on Facebook0Tweet about this on TwitterShare on Google+0

Esse é um filme que pela lógica não deveria existir. Os bastidores de ´Escape From Tomorrow´ (a tradução seria “Fuja do Amanhã”, e o título  é uma referência a uma das áreas dos parques Disney) sempre serão mais interessantes que o filme em si. Ter sido filmado na Disneyland e na Disney World sem a autorização da grande e poderosa Disney é um fato que por si só já merece um prêmio. Filmar um filme em surdina é um grande feito, mas será que o diretor Randall Moore conseguiu contar uma história de qualidade em tais condições?

Jim é um homem de família, pai de dois pirralhos e casado com sua  esposa, um tanto estranha e que se recusa a dar demonstrações de afeto em público, Emily. Tudo anda perfeito em sua vida, ainda mais quando ele e sua família estão aproveitando o dia no lugar mais feliz do mundo, Disney World, mas de repente pobre Jim recebe uma ligação e é demitido de seu trabalho. Ao invés informar Emiy sobre o ocorrido,  ele guarda a péssima novidade para si, e decidi prosseguir com o passeio feliz.

escapemeio

Todavia tudo começa a dar errado, pessoas doentes do nada, os filhos do casal começam a agir de maneira estranha e Jim decide perseguir duas francesas adolescentes. Por que não, não é mesmo? Aliás o protagonista é bem nojento, mas a performance de Roy Abramsohn como o pai desiludido Jim é tão eficiente que até conseguimos ficar do lado dele por alguns momentos.

A história de repente se torna em um filme noir, com princesas Disney sendo femme fatales e traições, paranoia, sexo e violência tornam se elementos corriqueiros. Tudo isso em lugares familiares como as atrações “Space Mountain” e “It´s a Small World. A sobreposição de imagens para dar um novo sentido aos locais dos parques às vezes causam estranheza e em alguns momentos entretém.

Mas infelizmente, na soma de todas as partes, o filme é confuso. A jornada atrás da “verdade”  sobre o parque, que leva ao protagonista a encher a cara nos pavilhões da França, da Alemanha e do México, é desafiante de se compreender. Pendentes mágicos e psicopatas em cadeiras de rodas são apenas alguns elementos extras para o caos e a estranheza do filme. No final tudo parece mais um delírio do que uma obra coerente, mas o desfecho da narrativa consegue dar algum sentido para toda a ambiguidade dessa jornada.

A originalidade desse projeto é incontestável. Mas só originalidade não se segura um filme. Com certeza ele seria melhor como um curta de 20 minutos. As piadas ficam desgastadas rapidamente e muitas cenas que obviamente precisariam  de outras tomadas ficam numa qualidade de gosto duvidoso. Sem contar que para um filme que dança tanto com a estranheza e o desconforto, é triste ver tantas atuações indo para o pastelão.  Quer contar uma história pesada, sem problemas, apenas não fique em cima do muro.

Alguns dizem que ´Escape From Tomorrow´ nunca verá a luz de um lançamento oficial e viverá apenas em festivais. Eu não acredito nisso. Claro que a Disney não ficou feliz com essa obra, mas vivemos em uma era de You Tube e afins. Os artistas acham  jeitos de filmar o que querem e distribuirem como quiserem. É melhor as grandes corporações aceitarem isso logo. O filme vale uma conferida, só pela coragem de ter sido feito, apenas não espere nada muito coerente ou especial, que você terá uma boa experiência.

Compartilhe!Share on Facebook0Tweet about this on TwitterShare on Google+0
comentários
 
Deixe uma resposta »

 
  • Campo obrigatório
    setembro 27, 2013 at 11:34 pm

    nem sempre precisa-se entender pra gostar (pior que é), mas o cara nao teve muito tempo pra fazer, concertar, mudar roteiro, coisas que geralmente sao feitas…. ou talvez seja uma viagem louca sem tanto sentido e pronto, feliz assim!

    Responder

Deixe uma resposta