2 comentários

Crítica: Os 13 porquês

by on novembro 24, 2013
 

Compartilhe!Share on Facebook0Tweet about this on TwitterShare on Google+0

Eu gostei mais da ideia de Os 13 porquês (Editora Ática) mais do que a execução. Clay Jensen recebe um pacote pelo correio com fitas cassetes narradas por Hannah Baker, porque, aparentemente, ele foi uma das treze razões dela ter cometido suicídio. Enquanto escuta as fitas na espera da acusação de Hannah, Clay anda pela cidade visitando lugares marcantes na vida da garota. O suspense é bom, o protagonista é simpático, talvez até demais, e é admirável o esforço do autor, Jay Asher, de trazer a tona um tema tão polêmico como o suicídio de uma adolescente. Com certeza é uma obra que te faz pensar.

Mesmo tendo alguns defeitos, o livro te captura e faz com que você fique obstinado a saber o motivo e as pessoas que fizeram com que a garota chegasse a tal ponto. Algumas críticas  julgam que os motivos para o suicídio da jovem foram superficiais, algo que discordo, pois cada pessoa reage diferente a uma situação. A soma de pequenos incômodos podem degastar, depressão distorce a perspectiva dos fatos e infelizmente em alguns momentos as coisas simplesmente não tem muito sentido. As fitas de Hannah parecem mais uma pequena vingança contra aqueles que a fizeram sofrer. Certos personagens merecem viver com o sentimento de culpa, não sei se todos, mas isso adiciona a complexidade da jovem.  É interessante notar que Jay Asher não posiciona Hannah como uma vítima, ou um ser puro, ela também tinha defeitos, era meio mala, fez decisões erradas e, no fim, lamentavelmente, desistiu.

Para o seu primeiro livro o autor mostra uma ótima técnica em medir as palavras, dividindo bem o tempo entre as fitas de Hannah e as reações e memórias de Clay.  Em certos momentos os tons e os sentidos das passagens ficam meio confusos, contudo é algo que da pra levar, pois a curiosidade em saber mais sobre Hannah e os 13 o faz prosseguir.

É um livro que questiona os jovens se para fazer parte de um grupo é realmente necessário abusar dos mais “fracos” (tímidos, quietos, desajeitados ou qualquer outra implicância idiota de algum imbecil), algo que abominavelmente é cada vez mais comum. Essa obra é interessante para aqueles em formação por abordar temas fortes e que ocorrem, ou podem ocorrer, na adolescência e prende atenção dos mais velhos pela ideia original. Vale uma conferida.

Páginas: 256

 

Nota: 3/5

Quer comprar? Adquira aqui.

Compartilhe!Share on Facebook0Tweet about this on TwitterShare on Google+0
comentários
 
Deixe uma resposta »

 
  • outubro 24, 2016 at 2:50 am

    Li três livros com essa temática, (“eu estive aqui ” a “playlist de hayden” e “os 13 porquês”). Eu particularmente acho que “os 13 porquês”. Não é o mais indicado para se entender melhor esta questão tão “profunda”.
    Quando li o livro, fui atraída pela “morbidez” do mesmo. O enredo é realmente chamativo e inovador. Porém em contrapartida, é muito complicado sentir apatia pela protagonista. Sendo assim, Também é difícil se identificar. Em “eu estive aqui” por exemplo, é muito fácil entender as dores tão viscerais dos personagens e a autora consegue isto de uma forma leve e “acolhedora”. Mesmo tratando – se de uma temática tão “frágil”

    Responder

  • Sidnei H. dos Santos
    fevereiro 19, 2017 at 11:17 pm

    Apesar de ja estarmos em 2017, acabei de ler o livro, o motivo principal é que ele será base para uma nova série do Netflix, mas, infelizmente o livro foi uma decepção, a idéia central para criação do livro parecia tão boa, tão rica, com tantas possibilidades, e no fim, acabou sendo tão mal explorada, os motivos e revelações trazidos nas fitas tão profundas quanto uma poça d’água, tudo desaba em um artificialismo irritante, a empatia pelo protagonista se perde e o livro se torna maçante. Espero que a série seja melhor.

    Responder

Deixe uma resposta