0 comentários

Crítica – Veronica Mars: O Filme (2014)

by on março 11, 2014
 

Compartilhe!Share on Facebook421Tweet about this on TwitterShare on Google+0

Ressuscitado pela magia da internet e feito com dedicação, esse é um projeto que nunca existiria anos atrás. Esse é o filme que só existe graças a existência de sites de financiamento coletivo, no caso o maior de todos, o Kickstarter, e ao apoio infinito dos fãs de Veronica Mars (no Brasil, Veronica Mars: A Jovem Espiã, por que hein? Por que Deus?). O filme é uma carta de amor aos fãs do finado seriado cult que durou de 2004 até 2007. Quem não conhece a série irá até se divertir, mas pode ter certeza de que metade do conteúdo irá passar despercebido.

Você voltaria há uma parte do seu passado que você custou para virar a página? Você vai gostar do que verá lá? “Veronica Mars: O Filme” se passa anos depois do seriado, entretanto começa como uma recapitulação do seriado “neo noir”, muito engraçada por sinal, pois é algo no estilo colegial e mal editado de propósito. A personagem principal, Veronica Mars, mais uma vez interpretada por Kristen Bell, era uma detetive adolescente que entrou de vez nessa vida para investigar o assassinato de sua melhor amiga, quando ambas tinham apenas quinze anos. Veronica passa seus anos de colégio investigando seus colegas de escola, o que evidente não a torna a pessoa mais popular do colégio. Mas sua tara pelo perigo passou e agora ela vive em Nova York e esta sendo considerada por uma famosa firma de advogados. Ela abandonou os dias de detetive e ação para trás e leva uma vida bem ordeira, pelo menos nos primeiros minutos do filme.

É evidente que a calmaria é temporária. Logo após sua entrevista com a firma, Veronica descobre que uma antiga colega dos tempos de colégio, agora uma problemática pop star, foi encontrada morta. Para complicar, o local da morte era a casa onde Veronica morava em sua cidade natal, a fictícia Neptune. E, para dificultar, ainda mais a situação o ex-namorado de Veronica, Logan Echolls (Jason Dohring), é o principal suspeito. Com essas peças no tabuleiro, a protagonista é obrigada a voltar a seu papel de investigadora e se reconectar com seus velhos amigos, como Wallace Fennel, agora um professor e treinador no colégio Neptune High, e Cindy “Mac” Mackenzie, que agora trabalha em uma maligna empresa de tecnologia. E a cereja no bolo é que há uma reunião de formandos, o que reforça ainda mais o sentimento de “volta ao lar”.

Há muitas piadas internas para quem é fã da série, referências a vários episódios e até uma  meta referência bizarra que fala da quarta temporada que só existiu no papel. É um filme com bom humor, mas que infelizmente a maior parte das piadas só funcionam para quem é obcecado com o seriado. Enquanto os diálogos são ágeis e interessantes, as cenas de ação são confusas e canastronas. Se existe alguma representação do que é fan service, é esse filme, e que só funciona graças a atuação confiante de Kristen Bell na pele da detetive durona e que fala pelos cotovelos.

Sendo um tanto repetitivo aqui, “Veronica Mars” não é um filme amigável para quem nunca viu a série. Mesmo sendo um pouco confuso para quem pulou de paraquedas direto no longa, o maior atrativo é a perspectiva feminista feita de uma forma inteligente e divertida. Veronica não é a única mulher forte nessa produção, aqui os personagens femininos são fascinantes e bem escritos, algo que precisa ser cada vez mais comum.

Essa jornada de duas horas é divertida, mesmo com um baixo orçamento a produção é feita com esmero, seu maior problema é ter um ritmo um tanto acelerado. Para quem é fã de Mars é mais do que obrigatório, para quem não é, é um tanto arriscado, mas talvez desperte em você uma paixão por essa charmosa série.

Nota: 3/5 (4 se você é fã)

Trailer desse filme feito com minúcia para os fãs

Compartilhe!Share on Facebook421Tweet about this on TwitterShare on Google+0
Seja o primeiro a comentar!
 
Deixe uma resposta »

 

Deixe uma resposta