0 comentários

Crítica – Attack on Titan: Humanity in Chains (Nintendo 3DS, 2DS, New 3DS)

by on maio 19, 2015
 

Compartilhe!Share on Facebook0Tweet about this on TwitterShare on Google+0

O mangá e o anime são fantásticos… E o jogo?

Um dos maiores sucessos dos mangás chegou no ano passado ao Brasil. Attack on Titan aportou em nossas terras com o nome de Ataque dos Titãs – Shingeki no Kyojin (uma mistura da tradução ao pé da letra e o nome original). Nessa história, acompanhamos a briga da humanidade contra os monstruosos Titãs, nenhuma relação com a banda, criaturas humanoides gigantescas que devoram humanos sem motivo aparente. A ideia de ver os pequeninos humanos dando uma de Homem Aranha com equipamentos não muito refinados para combater as gigantescas criaturas é de um apelo enorme para quem curte ação e a boa e velha história de “Davi contra Golias”. Então um game adaptado desse enredo não tem como dar errado, certo? Certo? Bem…

Uma coisa é certa, a Spike Chunsoft foi bem fiel a história do mangá/anime que deram origem ao game Attack on Titan: Humanity in Chains (publicado pela onipresente Atlus). Os personagens da série estão todos lá, ou melhor, todos que aparecem na primeira temporada do anime, pois o game é baseado nessa fase. Aliás, Humanity in Chains inclui um bocado de cenas do próprio anime, que dão um charme a mais para o jogo, mas algumas animações originais também não fariam mal. A música também é fantástica, novamente com algumas sendo as mesmas do anime, incluindo o fantástico primeiro tema da apresentação da animação. Visualmente o game não decepciona para um portátil, com todos os modelos, sejam os dos protagonistas ou dos Titãs, lembrando as figuras do mangá/anime. E para completar, as vozes originais do anime também estão presentes no game. Então qual é o problema desse jogo? Se prepare para uma repetição sem fim. Mate um Titã, e outro, e outro… Sem, praticamente, variação alguma.

Vamos começar pelo princípio, o game possui dois modos: Story Mode, que segue a história do anime, e World Mode, modo livre onde você cria seu soldado. No Story Mode você tem cinco personagens com histórias entrelaçadas para jogar: Eren Yaeger, a chutadora de bundas Mikasa Ackerman, Armin Arlelt, a garota da batata Sasha Braus e o fodão Levi Ackerman. Pena que todos têm a mesma jogabilidade, tirando Eren, que em alguns momentos pode virar um Titã (falar mais sobre isso seria um spoiler). Nesse modo você irá acompanhar a história do anime, sem nenhum detalhe novo ou algum conteúdo exclusivo para o game. No World Mode você pode criar seu próprio soldado, jogar multiplayer online com três amigos, encarar desafios e matar Titãs num loop infinito. Pois é, nem o co-op salva.

Matar criaturas colossais deveria ser divertido, mas não é o que ocorre em Humanity in Chains. Tirando ter que salvar um soldado caído em algumas situações, a única coisa que se faz é combater Titãs. E como o jogo é extremamente fácil, não há desafio algum nessa tarefa. Existe uma mecânica de girar o control pad para dano extra, contudo como causar danos críticos é algo corriqueiro, não há necessidade para tal, pois um ataque crítico mata o inimigo. Reposicionar a câmera manualmente é bem lento, a AI de seus aliados é péssima, os quick time events são bem bugados e quando você se transforma em Titã o jogue se resume em apertar o X continuamente. Faltou colocar a sequência de treinamento, momentos furtivos, interação entre os personagens, cenas de fuga ou qualquer coisa desse alguma variedade para a jogabilidade desse game. Humanity in Chains seria bem melhor com uma variedade maior de Titãs e modos de combate. Se ao menos os personagens tivessem movimentos diferentes já seria algo, mas esse jogo foi feito a toque de caixa, apenas para embalar no sucesso da série.

Attack on Titan: Humanity in Chains rende umas 14 horas de jogatina, o problema é querer investir esse tempo todo nessa jornada. O jogo não vai responder nenhum dos mistérios da série, até porque a mesma não respondeu a maioria, e nem vai lidar com a coceira dos fãs de eliminar Titãs. Esse game para 3DS não é nem para os fãs mais hardcore. Se você quer mesmo matar a vontade de aniquilar Titãs com a Mikasa e cia, fique com o gratuito jogo online Attack On Titan: Tribute Game. Acredite, é bem mais divertido que a versão do 3DS e você irá economizar 40 doletas no eShop. Resumindo, encarar Humanity in Chains é uma batalha perdida. Não foi dessa vez caros fãs de Attack on Titan. Mas ei, os OVAs do Levi são bem legais pelo menos, né? Por enquanto é melhor se contentar com isso mesmo.

Nota: 2 Stars (2 / 5)

Trailer de Attack on Titan: Humanity in Chains

Compartilhe!Share on Facebook0Tweet about this on TwitterShare on Google+0
Seja o primeiro a comentar!
 
Deixe uma resposta »

 

Deixe uma resposta