1 comment

Last of Us – O jogo que não é em vão

by on setembro 27, 2013
 

Compartilhe!Share on Facebook0Tweet about this on TwitterShare on Google+0

Ou “O único jogo que prendeu a atenção da minha companheira do inicio ao fim”

Last of Us é o canto do cisne do Playstation 3. Como Seinfeld sugeriu para George, sempre saia no topo, e apesar de não ser o último jogo do PS3 propriamente dito, é o game definitivo da Sony e fecha com chave de ouro a empreitada do terceiro Playstation no mercado dos games. A história não é a mais original, mas a execução é perfeita. Você é um pai, Joel, um cara fechado, mas que acima de tudo ama sua filha, Sarah. Uma tragédia a tira de sua vida. Aliás, a tragédia muda a vida de todos, pois um vírus, Cordyceps, que afeta o cérebro humano, se espalha rapidamente e torna suas vítimas em seres descerebrados, agressivos e com fungos espalhando pelo corpo. Tirando a última parte lembra muito outro tipo de monstro que começa com z, não é mesmo? Mas ao invés de ir para os clichés e ficar em cima do muro, Last of Us não brinca em serviço e constrói cenários que não definem facilmente o que é certo e o que é errado.

lastmeio

Depois do prólogo, que é uma das melhores aberturas de games de todos os tempos, somos colocados novamente nos sapatos de Joel, mas agora 20 anos no futuro da vida desse sujeito. Visivelmente cansado e ainda mais bruto do que antes, Joel é um contrabandista, que faz o que é necessário para sobreviver. Ele e sua parceira de “operações”, Tess, não têm medo de sujar as mãos, usam de métodos brutais para conseguir o que querem e estão decididos a recuperar a mercadoria que um ex-parceiro deles adquiriu sem os consultar. A mercadoria em questão são armas. E essas armas ligam a dupla, aos Fireflies (Vagalumes), a resistência a um sistema militar truculento que desistiu de achar uma cura e impõe uma vida sem esperança a aqueles que estão na base do sistema. Nesse caso a maior parte da população. Joel e Tess tem a palavra de Marlene, líder dos Fireflies, de que se eles fizerem um contrabando para ela, eles terão suas armas e muito mais equipamentos em retorno. O contrabando que eles têm de levar para fora da cidade dominada pelos militares é Ellie, uma garota de 14 anos, a idade que Sarah teria se ainda estivesse viva. Ellie que possui uma personalidade forte, debochada, irritadiça, sagaz e persistente. Mas o mais importante é que essa garota pode ser a chave para a cura da humanidade. Joel vai contra vontade nessa jornada, Tess o convence de fazer o serviço, no caminho ele acaba se importando com Ellie e encontra outros sobreviventes que também farão de tudo para proteger seus entes queridos e outros que fazem mais que o necessário apenas para garantir a si mesmos.

O impressionante trailer dessa mega produção com a surpreendente dublagem nacional (há a opção de jogar com as vozes originais)

A jornada não é alegre. Normalmente o amor salva tudo certo? Quase sempre, quase. É um jogo sem respostas fáceis, com diálogos poderosos, uma jogabilidade eficiente que te emerge no mundo que a produtora Naughty Dog criou. Alguém aqui também teve aulas chatolinas de cinema? Sabe a diegese? Aquele mundo próprio da narrativa? E quando um filme é diegético ele te prende no mundinho dele? Pois é Last of Us é diegético, mesmo sendo interativo, algo que muitos filmes, mesmo tendo o poder de levar a narrativa e câmera para onde querem, não conseguem. Esse jogo, que nunca deixa de ser um jogo, graças aos deuses, ao contrário de alguns outros que tentam o truque barato de ser um filme com opção de mudança de ângulos ou pouca interatividade (Heavy Rain estou falando de você) consegue a proeza de te convencer na veracidade daquele mundo apocalíptico. Vende-te um cenário onde a esperança se foi a muito tempo e a maior parte da humanidade é cruel. Os laços de Joel e Ellie, aos poucos se transformam em uma bela relação fraternal. Essa evolução de ambos mostra que pode haver algo mais mesmo num mundo tão podre, mas que um mínimo deslize pode acabar com esses sentimentos em um segundo.

Garanto que esse é um dos poucos jogos que vai fazer você valorizar apreciar uma paisagem dominada pela natureza com girafas andando no meio de uma cidade. Aliás, quando você vai ver girafas em jogos? Ainda mais no meio de uma cidade? Girafas cara! Ele o fará sentir a tensão de ser perseguido por infectados, e depois desejar ser perseguido por eles novamente pois os humanos são piores. Vide um em especial numa casa pegando fogo. E não se esqueça de preservar e administrar seus mantimentos, pois isso é a chave para sobrevivência nessa jornada. Last of Us é uma obra prima, que mostra que toda a evolução da produtora Naughty Dog não foi em vão.

lastfim

Nota: 5/5
Exclusivo do Playstation 3
Ps.: A dublagem original é espetacular. Mas a boa surpresa é a super competente dublagem nacional. Sério, confiram.

Compartilhe!Share on Facebook0Tweet about this on TwitterShare on Google+0
comentários
 
Deixe uma resposta »

 

Deixe uma resposta