1 comment

Xscape vem aí! Novo álbum póstumo de Michael Jackson reacende a polêmica das alterações em sua obra

by on maio 8, 2014
 

Compartilhe!Share on Facebook0Tweet about this on TwitterShare on Google+0

Michael Jackson morreu já faz seis anos, mas ainda continua a produzir. O músico retorna amanhã, 09/05, à cena musical com “Xscape”, o segundo álbum póstumo desde sua morte em 2009. Parece que esse novo álbum teve uma recepção melhor da crítica do que o anterior.

Poucos meses depois da morte do Rei do Pop, seus herdeiros e a Sony assinaram um acordo por um valor recorde, estimado em cerca de 200 milhões de dólares pelo Wall Street Journal. Ainda acho que Jackson valia mais que isso, mas o que eu entendo de milhões? O acordo prevê o lançamento de sete álbuns em dez anos, com faixas inéditas e outras reeditadas.  Vão sugar o máximo possível do legado do artista pelo visto.

Em 2010, “Michael”, o primeiro dos sete álbuns póstumos, apresentado como inédito, recebeu duras críticas, chegando a gerar uma polêmica sobre a autenticidade da voz de Michael Jackson na gravação. Sem contar que ele tinha trechos cheio de influência eletrônica, algo totalmente destoante da música de Michael Jackson. O segundo álbum foi comercializado em 2012 pelo 25º aniversário de “Bad”.

Dado que o legado do Rei do Pop era um verdadeiro campo minado, com os parentes divididos em facções belicosas, convém relativizar toda polêmica. De fato o álbum “Michael” dava a impressão de um produto muito heterogêneo e feito sem muito preparo, suspeito demais por erros nos créditos: Dave Grohl, líder dos Foo Fighters, por exemplo, negou ter tocado na faixa “(I can’t make it) another day”.

De acordo com a revista Forbes, Michael Jackson é a celebridade morta que no ano passado “ganhou” mais dinheiro no mundo. Seus herdeiros embolsaram US$ 160 milhões em 2013, depois de 145 milhões em 2012 e 170 milhões em 2011. Mesmo morto Jackson ainda sustenta a família, beleza hein?

Sabemos que Jackson era muito produtivo: centenas de descartes estão conservados em estúdio, além das dezenas de demos. Em anos de vacas gordas, ninguém aproveitou mais do que Michael: contratou diferentes produtores e podia trabalhar simultaneamente em vários estúdios de Los Angeles. Cada álbum editado deixava para trás um bocado de canções, em diferentes níveis de finalização, que não resistiram ao corte.

Para o disco “Xscape”, o terceiro da série póstuma, L.A. Reid, chefe da Epic Record (filial da Sony), revirou o arquivo de Michael Jackson e escolheu somente as músicas inteiramente cantadas pelo Rei do Pop. Um progresso pelo visto. As oito música do álbum são inéditas, por não constarem em qualquer álbum comercial, mas seis delas já haviam circulado pela internet.

As versões para o álbum foram “modernizadas” por um batalhão de produtores, entre eles Timbaland, estrela R’n’B e colaborador de Justin Timberlake e Beyoncé. A lista inclui outros fabricantes de hits como o grupo Stargate (Beyoncé, Rihanna…), Rodney Jerkins (Black Eyed Peas, Lady Gaga…), Jerome “Jroc” Harmon e John McClain. A Epic Records pediu aos produtores para “tornar as músicas mais contemporâneas, mantendo a essência e integridade” de Michael Jackson. Vamos ver quantas alterações as canções irão sofrer para ficarem mais “modernas”. “Michael deixou para trás performances vocais que estamos orgulhosos de apresentar através dos olhos dos produtores com os quais trabalhou ou gostaria de trabalhar”, disse L.A. Reid.

Uma edição “Deluxe” de “Xscape” também incluirá as gravações originais das músicas. Algumas gravações datam dos anos oitenta e a produção procurou enfatizar a nostalgia, invocando a mistura única de pop, soul e disco, que Michael Jackson inventou durante a sua colaboração com Quincy Jones, o período de ouro do músico.

O álbum inclui a polêmica “Do you know where your children are?”, em que o cantor, que enfrentou acusações de pedofilia, pergunta aos pais se eles sabem onde estão seus filhos depois da meia noite. Ou seja, tem gente que leu um bocado nas entrelinhas dessa, mas ainda acho que o cantor era só meio maluco e crianção demais, não um pedófilo descontrolado como os jornais pintavam.

Sobre o álbum o jornal The Guardian soltou a seguinte nota “Percebemos imediatamente que foi investido muito tempo (e dinheiro) nessas músicas e que tiveram o trabalho de apresentá-las da melhor forma possível. Resta uma pergunta: se essas músicas não eram boas o suficiente para serem divulgadas na época, por que isto agora?”. Realmente é algo a se considerar maaaaas… É uma das leis não escritas do mundo pop: qualquer gravação escondida de uma estrela, como as oito canções inéditas que compõem “Xscape”, se revaloriza depois de sua morte. Não há motivos para escandalizar-se: o fenômeno também acontece na literatura e na arte. Se pode gerar dinheiro, qualquer peça recuperada acabará no mercado. Pro bem ou pro mal.

Confira abaixo o nome das faixas que estarão “Xcape”:

“Love never felt so good”

“Chicago”

“Loving you”

“A place with no name”

“Slave to the rythm”

“Do you know where your children are?”

“Blue gangsta”

“Xscape”

Ainda iremos falar mais desse álbum, então aguarde os próximos “capítulos”.  E não deixe de conferir nossa matéria sobre “Os Melhores Clipes de Todos os Tempos”, onde obviamente Michael Jackson esta no panteão. Pois é. Valeu e inté!

Compartilhe!Share on Facebook0Tweet about this on TwitterShare on Google+0
comentários
 
Deixe uma resposta »

 

Deixe uma resposta