1 comment

Crítica: Capitão Phillips

by on novembro 8, 2013
 

Compartilhe!Share on Facebook11Tweet about this on Twitter1Share on Google+0

Finalmente chegamos à época dos verdadeiros grandes lançamentos do ano. Após “Gravidade” somos brindados novamente com outra grande obra, “Capitão Phillips”.  Se prepare para uma experiência única, mesmo que o filme não te agrade em sua totalidade (pouco provável), os últimos 15 minutos de “Capitão Phillips” são os momentos mais irrequietos que você verá nas telonas esse ano. É para sair tremendo da sala do cinema.

Não se engane, as duas horas pregressas não são nem um pouco sem emoção. Esse filme é um forte concorrente ao Oscar e mostra Tom Hanks na sua melhor atuação dessa década. Há tempos que não víamos o ator tão compenetrado em um personagem, e se há alguém famoso que convence como um sujeito comum, esse alguém é Tom Hanks. “Capitão Phillips” é um filme bomba relógio, você sabe que uma hora tudo irá “explodir”, e quando isso ocorre, irá deixar seus nervos em frangalhos.

“Phillips” conta a história real, que se você desconhece, não busque conhecer antes de ver o longa para não estragar as “surpresas” do filme, de Rich Phillips, capitão do navio de carga que passava pela costa africana em 2009. Nesse thriller de ação, Philips e o navio comercial MV Maersk Alabama acabam por virar reféns de piratas modernos, armados com metralhadoras, pouca paciência e exigindo milhões em resgate.

Dirigido por Paul Greengrass (“O Ultimato Bourne”, “Domingo Sangrento”), o único homem que sabe utilizar uma câmera tremida de maneira adequada, o filme traz o mesmo senso de urgência e imediatismo de um de seus longas anteriores, o ótimo e tenso “Vôo United 93”. Outro fator que corrobora para o senso de veracidade do filme é o ator somaliano Barkhad Abdi que da vida a Muse, líder dos piratas. Mesmo sem experiência prévia na área de atuação, ele quase rouba o show sua atuação impactante.

A detalhada reconstituição do sequestro é coreografada com cuidado e explica como poucas pessoas com armas puderam capturar um navio tão grande. Não é uma tarefa fácil, entretanto as embarcações comerciais não possuíam armas para se defender, o que as tornavam alvos fáceis.  O filme busca explicar o porquê de os somalianos tomarem uma atitude tão drástica de sequestrar um navio, mas em nenhum momento justifica a mesma como correta, o que é um acerto por parte do diretor Greengrass.

Outro grande acerto do filme é focar apenas no que ocorre no barco. Nada de mostrar como a mulher de Phillips reage ao sequestro do navio, ou explicar em detalhes porque a embarcação foi enviada em uma jornada tão perigosa. O filme funciona sem esses contextos e a falta de informação do mundo exterior só aumenta o suspense do que irá ocorrer a seguir no navio.

Resumindo, “Capitão Phillips” é um filme que sabe construir a tensão e o suspense. A atuação de Hanks é inspirada e comovente, o personagem dele não é um herói, é um homem comum em uma situação desoladora. Poucos filmes te deixarão tão preso na cadeira do cinema como esse. Como dito anteriormente, finalmente começou a temporada de grandes filmes, esse com certeza será visado a ganhar vários prêmios, quem sabe até o Oscar. Não deixe de ver.

Nota: 5/5

Trailer legendado desse grande filme

Compartilhe!Share on Facebook11Tweet about this on Twitter1Share on Google+0