3 comentários

Crítica – Mario Party: Island Tour (3DS)

by on janeiro 8, 2014
 

Compartilhe!Share on Facebook9Tweet about this on TwitterShare on Google+0

Jogo de tabuleiro digital, algo simples e direto, e claro que foi um sucesso. Rolar dados, participar de mini jogos e se divertir com os amigos. Como errar nisso? Sonic Shufffle tá ai no mundo para mostrar como errar completamente, mas vamos em frente. Mario Party já esta no mercado faz 15 anos. O tempo passa, o tempo voa, amigo. Quem começou produzindo a brincadeira foi a Hudson Soft, mas hoje em dia essa franquia festeira da Nintendo esta nas mãos da NDCube. Desde a quarta versão, tivemos muitos altos e baixos nesses jogos.  E Mario Party: Island Tour para 3DS? É bom?  Serve? Pior do que gonorreia? Vamos conferir.

Como de costume, esse Mario Party possui tabuleiros feitos para serem jogados por 4 personagens, utilizando itens uns nos outros para adquirir vantagens e participando de mini-games para conseguir mais benefícios ainda.  Ser bom nos mini-games vai te dar uma dianteira, já que você recebe poderes especiais caso mande bem nesses joguinhos. Mas o sucesso em Island Tour é na maioria das vezes decidido na pura sorte. Para os veteranos da série, ok, você já está acostumado com o fator sorte decidir quem tem sucesso ou fracasso aqui.  Para os novatos, se você não se conforma com elementos do acaso decidir sua chance de sucesso, abandone esse jogo e boa sorte em sua vida. Nesses jogos o objetivo não é a vitória, é se divertir com a jornada. E tem muita coisa para se aproveitar em Island Tour.

O objetivo de todos os tabuleiros dessa vez são chegar até o final dos mesmos antes de todo o mundo (com exceção de Star-Crossed Skyway e Bowser’s Peculiar Peak), com uma grande variação de “power-ups”, espaços especiais e obstáculos no caminho. Cada tabuleiro tem um tempo de duração diferenciado, alguns são para partidas rápidas e outros vão demorar um bocado para concluir a brincadeira.

A sorte, fator tão recorrente nesse game, impacta de maneira diferente cada um dos sete tabuleiros. Em Rocket Road, por exemplo, você ganha Engine Boosters ao vencer mini-games, sendo que pode ser um Booster que aumenta duas, três ou quatro vezes o número de vezes que você rola o dado. Já em Banzai Bill´s Mad Mountain a dona sorte vem na forma do próprio Bullet Bill, que força você decidir se vai jogar de forma segura ou correr o risco de ser derrubado para o inicio do tabuleiro ao arriscar um caminho mais ligeiro e perigoso.  Como é possível ver, alguns tabuleiros são menos aleatórios do que outros, então tudo depende de seu gosto pessoal. Mesmo que haja boards que demorem séculos para terminar uma sessão, Bowser’s Peculiar Peak estou falando de você, as partidas dessa versão de Mario Party são bem mais rápidas e dinâmicas do que a dos jogos anteriores.

A opção Download Play é rápida e ligeira, permitindo que quatro manolos joguem uma partida com apenas um cartucho. O multiplayer estaria perfeito se tivesse uma opção online disponível. Sério Big N, estamos em 2014, o que vocês tem contra estar conectado?

E os mini-games? São a essência de qualquer Mario Party, será que essa versão portátil tem uma coletânea de mini jogos que preste? Err, mais ou menos, mais ou menos. Um bom número deles são bem desenvolvido, bem bacanas e bem prazenteiros. Na seleção dos que são batutas tem um em que cada jogador escolhe um número numa grade e tem que adivinhar posteriormente qual número seus adversários selecionaram.  Maaaas temos outros passatempos bem meia bocas, como por exemplo, roleta. Qual a graça em apertar um botão para decidir quem vence ou quem perde?

Depois que você já tiver destrinchado os tabuleiros, a graça mesmo é ir direto aos mini-games. Todavia Island Tour não tem muitos modos de jogar um mini jogo após o outro.  Jogar um de cada vez é um saco, já que exige que tu volte para o menu principal.

Acho que não é preciso dizer, mas é bom deixar bem claro. Se você não tiver amigos (forever alone mode, brincadeira, brincadeira) para curtir uma jornada em Mario Party: Island Tour, meu camarada, esse não é o cartucho, ou download para você. Isso é uma experiência multiplayer essencialmente, mesmo existindo bots, o computador não é nem um pouco divertido de encarar. Esse é um jogo bom, nada espetacular, mas que a diversão e risadas só são garantidas dependendo de com quem você jogará Island Tour.

Notas: 3/5 (2 se você não estiver ninguém para jogar).

Trailer dessa festança em seu Nintendo 3DS

Para mais reviews de 3DS clique aqui.

Compartilhe!Share on Facebook9Tweet about this on TwitterShare on Google+0
comentários
 
Deixe uma resposta »

 
  • Thiago K Santos
    janeiro 10, 2014 at 1:31 pm

    Eu gosto muito do Mario Party, mas é como falou: “Sem ninguém pra jogar fica ruim”. Pra mim só falta ter um modo online, apenas isso pra me fazer comprar e se divertir com a galera.

    Responder

    • Garota Esquilo
      janeiro 10, 2014 at 2:04 pm

      Falou tudo. Eu tava doida para comprar mas com essa trambalho do multiplayer ser só local… Tenhosó um amigo com 3DS, Nintendo tá achando que o mundo todo é Japão, onde todo mundo tem uns 2 portáteis pelo menos. Big N me ajuda a te ajudar :P.

      Responder

      • Thiago K Santos
        janeiro 24, 2014 at 5:02 pm

        Kkkkkkkkkkk

        Poisé, por mais que queiram estimular o modo local, mas pra cá, principalmente onde moro é complicado. Só não entendi o final: “Big N nem me ajuda a te ajudar”?

        Responder

Deixe uma resposta