2 comentários

Crítica – Tomorrowland: Um Lugar Onde Nada é Impossível (Brad Bird, Disney, 2015)

by on maio 20, 2015
 

Compartilhe!Share on Facebook0Tweet about this on TwitterShare on Google+0

Um futuro retro glorioso

130 minutos, ação/mistério, estreia 4 de junho no Brasil

Carros que flutuam, parques que desafiam a gravidade, torres em espirais, mochilas voadoras e foguetes como algo corriqueiro. Lembra do futuro que era mostrado na ficção da década de 70/80? Pois é, ele não morreu e serve como inspiração para “Tomorrowland – Um Lugar Onde Nada é Impossível”, o novo filme da Disney dirigido por Brad Bird (Os Incríveis, Ratatouille e Missão: Impossível – Protocolo Fantasma). Esse é um longa nostálgico pelo futuro que nunca aconteceu, sendo uma produção ambiciosa, talvez até demais, e que se perde um pouco em certas partes. No fim das contas, “Tomorrowland” vale seu dinheiro?

A história de “Tomorrowland” é a seguinte: A jovem Casey Newton (Britt Robertson) é cheia de ideias e adora o meio científico. Um dia, Casey encontra um pequeno “broche” que pode transporta-la automaticamente para uma realidade paralela que parece com uma mistura da Feira Mundial, com o Vale do Silício, EPCOT e as ficções científicas das antigas. Graças a pequena e misteriosa Athena (Raffey Cassidy), a curiosa Casey se une ao inteligentíssimo Frank Walker (George Clooney), um inventor desiludido com a vida. Juntos eles embarcam numa aventura perigosa, onde terão que salvar a terra conhecida como Tomorrowland (a tradução literal seria “Terra do Amanhã”). O que eles realizaram lá mudará o mundo para sempre. Ou quase isso.

Esse filme ganhou vida graças à vontade maluca da Disney de fazer uma adaptação de uma das atrações de seus parques (deu certo com “Piratas do Caribe”, né?). E também da decisão do cineasta Brad Bird de criar uma franquia original, deixando até mesmo de dirigir “Star Wars – Episódio VII” para tal. O roteiro dessa obra é uma combinação das mentes de Bird e do controverso Damon Lindelof (roteirista do filme Prometheus e do seriado Lost). Com a junção dessas cabeças, temos uma história que transborda criatividade e enrolação. Fica uma dica, Tomorrowland é um local incrível e que só de ver algo tão belo e diferente na telona já vale o ingresso. Mas se isso não for o suficiente para te convencer a ir ao cinema, vamos analisar o filme mais a fundo.

O longa é todo envolto em mistério, e quanto menos você souber dele, mais vai tirar proveito das novidades apresentadas pelo mesmo. Os protagonistas têm performances muito boas, explorando seus personagens com profundidade e a dupla principal possui uma ótima química. Esse é um dos raros filmes onde os atores mais jovens possuem atuações realmente boas, com destaque para Raffey Cassidy no papel da fodaraça Athena.

Apesar da história ser toda futurista, há um clima retro nessa obra. “Tomorrowland” é colorido, indo contra a tendência dark do cinema atual. Você vai se lembrar de “De Volta para o Futuro”, “Rocketeer” e “Contatos Imediatos do Terceiro Grau” ao vivenciar o visual desse filme. Tem algo muito anos 80 nessa obra, com direito ao clichê daquela época de que os adultos não prestam muita atenção em nada e cabe aos jovens resolverem o problema.

Falando em problema, o terceiro ato dessa produção é um problemão. É nos momentos finais do filme que acaba o combustível do foguete de diversões e emoções que estávamos até então. A mensagem final é clichê e meio forçada. Sério, o final do filme é bem sem graça.

Para finalizar essa crítica, quando o longa não fica filosofando, se concentra nos personagens e na ação, o filme é divertido para caramba. É uma obra cheia de falhas, mas que só de tentar algo novo em um mar de blockbusters mais do mesmo, dá para perdoar a maior parte dos defeitos. Porém, talvez o gosto amargo no final desagrade demais alguns. Acredito que “Tomorrowland – Um Lugar Onde Nada é Impossível” é mais sobre a jornada que embarcamos com Casey do que o destino. É um dos poucos filmes com final ruinzinho que vale seu tempo. Não deixe de ver essa obra original e audaciosa. Dê uma chance para uma produção que não é um reboot, um spin-off e nem uma continuação. É um filme família que foge do padrão e vai te surpreender. Se você tiver paciência e der uma chance.

Trailer de “Tomorrowland – Um Lugar Onde Nada é Impossível”

Compartilhe!Share on Facebook0Tweet about this on TwitterShare on Google+0
comentários
 
Deixe uma resposta »

 

Deixe uma resposta