1 comment

Um Filme De Quinta – Crítica: O Quinto Poder (2013)

by on outubro 28, 2013
 

Compartilhe!Share on Facebook0Tweet about this on TwitterShare on Google+0

Estreia prevista para 14 de novembro no Brasil.

Julian Assange e seu colega Daniel Domscheit-Berg se uniram para se tornarem vigilantes dos privilegiados e poderosos. Juntos eles mudaram o mundo expondo segredos obscuros daqueles que tem muito a esconder. Quando Assange e Berg tem acesso a um dos maiores vazamentos da história do governo americano, eles entram em conflito um com outro sob uma das maiores questões de nossa época: Qual é o custo de manter segredos numa sociedade livre? E qual é o custo de expor esses segredos?

A sinopse acima é do thriller baseado em fatos reais “O Quinto Poder” (“The Fifth Estate” no original), que conta a história do surgimento da WikiLeaks. Uns três anos atrás, quase ninguém sabia o que era esse site. De lá pra cá, o site criado pelo polêmico australiano Julian Assange explodiu, ao expor para o mundo, mantendo as fontes anônimas, segredos que grandes governos e companhias não queriam que fosse a tona. Hoje em dia qualquer pessoa minimamente informada sabe o que é o WikiLeaks, e é claro que Hollywood ia querer tirar lucro dessa história controversa.

Em “O Quinto Poder” há uma tentativa de contar os primórdios e a acessão do site, mas tudo num estilo panos quentes, sem se comprometer a julgar se as atitudes feitas pela organização são corretas ou errôneas.  Assange (aqui interpretado por Benedict Cummberbatch) é mostrado como um personagem misterioso e bipolar, algo que não agradou muito o original, que disse que a produção é mentirosa e implorou ao ator que o interpreta a não fazer parte de uma produção tão cheia de erros. Aqui um fato curioso, como tradição do WikiLeaks, o site vazou o roteiro do filme antes do mesmo estrear e apontou diversos fatos, que segundo eles, seriam diferentes da realidade. Se o filme é verídico é complicado saber, mas em defesa do mesmo ele é baseado no livro do ex-braço direito de Julian Assange, Daniel Domscheit-Berg, obviamente hoje ambos são brigados. Entretanto esses eram unha e carne no começo do site. O diretor da obra, Bill Condon (A Saga Crepúsculo: Amanhecer – Parte 1 e Parte 2), tem uma carreira um tanto fraca, e aqui ele faz um filme sem personalidade, que não se compromete com nada e praticamente relata os fatos sem deixar alguma impressão.

O filme tinha um grande potencial de passar uma mensagem sobre os valores da WikiLeaks e seus perigos também, mas o realizadores escolheram o caminha covarde, o da neutralidade. Apenas no fim que é arriscado uma mensagem direta, quando o personagem de Assange fala diretamente com o espectador, quebrando a quarta parede, mas é um momento forçado. O ritmo é corrido, tentando passar a sensação da avalanche de informações que vivemos hoje em dia na era virtual, mas como já dito, a obra carece de vida, e mesmo com os atores principais, Benedict (Além da Escuridão: Star Trek e o seriado Sherlock da BBC) e Daniel Bruhl (Adeus, Lenin! e Rush: No Limite da Emoção), dando seu melhor para segurar o longa, no fim das contas o filme tem pouco a dizer e quase nada a revelar.

Nota: 2/5

Trailer oficial e legendado

Compartilhe!Share on Facebook0Tweet about this on TwitterShare on Google+0
comentários
 
Deixe uma resposta »

 

Deixe uma resposta