3 comentários

Crítica – Jogos Vorazes: Em Chamas

by on novembro 14, 2013
 

Compartilhe!Share on Facebook0Tweet about this on TwitterShare on Google+0

Acredito que os fãs fervorosos da saga Jogos Vorazes não sairão decepcionados do cinema nesse novo longa da série. O filme Jogos Vorazes: Em Chamas (The Hunger Games: Catching Fire no original, 2013) dá vida com sucesso ao mundo tumultuado criado por Suzanne Collins nos livros, tendo como grande fonte de todo esse sucesso a atuação da fantástica Jennifer Lawrence (X-Men: Primeira Classe e O Lado Bom da Vida), a jovem que interpreta a rebelde Katniss Everdeen com toda garra e talento que o personagem merece. Sem contar que é extremamente fiel ao livro, tendo apenas pequenas alterações, como ausência de personagens menores como Darius e o fato de o par da protagonista saber nadar.

Essa produção teve momentos turbulentos em sua realização, com o diretor anterior, Gary Ross, saindo no meio do projeto e sendo substituído por Francis Lawrence (nenhuma relação com a protagonista), mesmo com esses pormenores o longa não foi prejudicado. A história é uma mistura de traição, subversão e revolta, uma combinação poderosa que é garantia certa de prender a atenção do espectador. Katniss esta de volta a seu lar no Distrito 12, seu maior problema é decidir o que fazer com seu romance falso com Peeta (Josh Hutcherson), fato que garantiu sua sobrevivência na competição anterior, e como se relacionar com Gale (Liam Hemsworth), seu verdadeiro interesse romântico… Nada como um triângulo amoroso para apimentar a história, não é?

Quem dera para Katniss se seus problemas se resumissem a isso, porque o Presidente Snow (Donald Sutherland) faz uma visita a sobrevivente e a obriga a manter a fachada de seu romance arranjado, para que não haja nenhuma suspeita de revolta em qualquer Distrito, já que a sobrevivência de dois participantes nos Jogos Vorazes foi um fato que quebrou as regras do mesmo. E qualquer sinal de indisciplina é a desculpa que o ditador procura para eliminar a jovem. Mesmo com Katniss colaborando com o faz de conta de Snow, seu Tour da Vitória pelos Distritos de Panem demonstram o descontentamento dos povos desses locais com o status quo. E o fato de Katniss ter desafiado as regras da Capital e ter sobrevivido parecem ser as chamas para revolta que o povo precisava para começar sua libertação. Então o Presidente Snow bola outro plano para manter seu esquema fascista. Em comemoração aos 75 anos da vitória da Capital, o novo Jogos Vorazes terá a participação apenas de campeões de antigas edições, contando com um homem e uma mulher de cada Distrito. Ou seja, Katniss terá novamente de participar dos terríveis Jogos, mesmo sendo a queridinha do público, o que a virtualmente a protegia da ira de Snow, mas como o público da Capital quer ver sua estrela “brilhar” novamente, eles não se importam de ver Katniss na competição mais uma vez. Acompanhando-a novamente na mortal disputa é Peeta, que se oferece a participar poupando o tutor dos jovens, o ex-campeão Haymitch (Woody Harrelson).

jennifer-lawrence-katniss

“O último ano foi brincadeira de criança” afirma Haymitch a seus protegidos, pois se foi duro a sobrevivência contra os competidores da última edição, imagina uma batalha mortal contra antigos vencedores. A cenografia é dominada pelo cinza, o clima de opressão pula das telas, e na sua primeira hora, o longa lembra algo no clima do Robocop original, onde a insubordinação não era perdoada de forma leve. O novo personagem que rouba a cena é Plutarch Heavenbee, interpretado pelo magistral Philip Seymour Hoffman (Capote, Dúvida, Missão Impossível 3). Pluutarch é o novo encarregado em administrar o evento, como esses competidores não tem uma gana desenfreada de se matarem, e muitas alianças surgem logo de cara, o administrador tem de criar armadilhas e mais armadilhas imprevisíveis para surpreender os experientes ex-campeões.

Apesar de que havia muitos toques de fantasia no filme anterior, na continuação esse elemento vem com força total. Campos de força invisíveis, cortinas de fumaça, ataque de pássaros, são apenas alguns dos elementos que desafiam a natureza tradicional. O bom desses filmes é que apesar de ser uma obra infanto juvenil, ela trata seu público com severidade. Já viu uma chuva de sangue num filme para crianças/adolescentes? Ou um jovem atacando um skinhead até a morte com um machado? Que tal Lenny Kravitiz levando soco na cara? Viu, Em Chamas não veio para brincar em serviço. É uma produção tensa, com um pouco de dramalhão, contudo com muita ação e crítica social para compensar. No clímax do filme temos planos de uma Katniss confusa e revelações de último segundo que mudam tudo sobre a situação, é um gancho imperdível para deixar você na ponta da cadeira esperando pela continuação, A Esperança, que foi dividido em duas partes, pois dinheiro nunca é demais, não é mesmo Lions Gate Entertainment?

Nota: 4/5

Trailer oficial dessa super produção

Compartilhe!Share on Facebook0Tweet about this on TwitterShare on Google+0
comentários
 
Deixe uma resposta »

 
  • Calhorda Explosivo
    novembro 14, 2013 at 7:05 pm

    Espero que tenham diminuído o romance em relação ao primeiro filme. No livro nem incomoda, mas na telona … Mas quem estou querendo enganar? É claro que eles vão encher de cenas “românticas” e dilemas de quem a Katniss vai quer ficar. Spoilers: É o Peeta. Ela termina com o Peeta no último livro.

    Responder

Deixe uma resposta