0 comentários

Crítica – Last of Us: Left Behind (PS3)

by on fevereiro 28, 2014
 

Compartilhe!Share on Facebook1Tweet about this on TwitterShare on Google+0

Last of Us foi um marco no universo dos games em 2013, com jogabilidade de primeira e um roteiro superior à maioria do mercado, era impossível não entrar na pele de Joel e não se envolver com aquela jornada num mundo pós apocalíptico e praticamente sem esperança. Left Behind, a campanha single player lançada via dlc (download) na PSN dessa vez coloca você num papel de uma Ellie mais jovem ainda. Essa extensão, que conta uma história pregressa, me lembrou de porque amei tanto Last of Us e tentarei mostrar aqui porque você deve voltar mais uma vez para esse mundo único criado pela excelente produtora Naughty Dog.

Como já dito, Left Behind acontece antes dos eventos de Last of Us. Ellie aqui é acompanhada pela sua melhor amiga, Riley, nada de Joel nessa aventura trágica. Além de jogar com uma Ellie um pouco mais nova, o jogo também mostra o que ocorreu com a jovem quando Joel estava quase sangrando até a morte. Ou seja, nem tudo é flashback.  No primeiro momento parece meio estranho o dlc ligar esses dois eventos, entretanto no decorrer da narrativa fica claro a correlação emocional entre eles.

Jogar com a Ellie é uma experiência totalmente diferente de Joel. A jovem consegue se virar por conta própria, mas ela não é uma matadora fria como Joel, evidentemente. A dificuldade no combate aqui é bem elevada. Com seu fiel canivete ela vai para o ataque, mas não confie tanto nessa arma. Logo você irá perceber que, com a garota, ser furtivo, stealthy, é essencial, ainda mais nas dificuldades Hard ou Survivor. Ela não aguenta tanta pancada como o experiente Joel.

A dublagem original é soberba. A dublagem nacional ainda segura a barra, mas as vozes originais, ainda das protagonistas sendo feitas pelas dubladoras Ashley Johnson e Yaani King, são fantásticas. O companheirismo delas só funciona de forma efetiva graças a carga emocional e dramática que essas duas dubladoras conseguiram passar em suas vozes.

A relação entre Riley e Ellie é adorável, é incrível que seja possível desenvolver tanto a amizade entre as duas num período tão curto. O texto é tão rico que fará com que quem jogue lembre-se de suas amizades na adolescência, e o laço forte que se tem com um melhor amigo(a). O roteiro da Naughty Dog continua sendo um primor, ainda mais no critério dos diálogos. Essa é uma jornada sobre laços humanos e o que ocorre quando são rompidos. No fim das contas, Ellie precisa de Joel tanto quanto ela precisa dele, mais do que o barbudo possa perceber.

Se você é fã de Last of Us não pode deixar de jogar esse dlc. Se você não é, jogue Last of Us e essa campanha extra. Qualquer um que ama videogames, ainda mais aqueles que vêm esse meio como uma forma de arte que pode gerar diversão e boas história, é obrigatório vivenciar essa jornada. Mas por favor, jogue esse dlc apenas depois de completar a campanha principal, senão a carga emocional dessa expansão não terá nem metade do impacto em você.  Por 31 reais, mesmo sendo uma experiência curta, 2 ou 3 horas no máximo, a qualidade é tão alta que deixar passar esse conteúdo extra é um desperdício.

Nota: 5/5

Isso é arte cara, é incrível! Confira o trailer e baixe logo!

Compartilhe!Share on Facebook1Tweet about this on TwitterShare on Google+0
Seja o primeiro a comentar!
 
Deixe uma resposta »

 

Deixe uma resposta