0 comentários

Crítica literária – O Conto do Covarde (Vanessa Gebbie)

by on julho 22, 2014
 

Compartilhe!Share on Facebook0Tweet about this on TwitterShare on Google+0

“- Meu nome é Laddy Merridew. Eu sou um chorão. Sinto muito.

– E meu nome é Ianto Jenkins. Sou um covarde. O que é pior.”

“O Conto do Covarde” (The Coward’s Tale no original. Publicado em nosso país pela Bertrand Brasil) é um livro bem diferente. É a história sobre três gerações de habitantes de uma pequena comunidade galesa de (ex)mineradores e o quem relata os diversos contos da cidade é o mendigo local, Ianto Jenkins. A narrativa vai e volta no tempo, com o vagabundo Ianto totalmente desapegado e onisciente dos fatos. O jeito que ele conta a história, variando toda hora o período dos acontecimentos, fornece um tom excêntrico para o conto.

O garoto de apenas nove anos Laddy Merridew é mandado para morar com sua avó por conta do divórcio de seus pais. Chegando de ônibus em uma pequena cidade no País de Gales, o jovem já tropeça nos primeiros passos e começa a chorar, recebendo um lenço do mendigo local. Esse gesto cortês é o que começa a amizade incomum entre o velho Ianto Passchendaele Jenkins e Merridew. No decorrer do livro Ianto conta o que ocorreu décadas atrás na mina de carvão da região, o tal desastre de Gentil Clara, que o legado ecoou por gerações, mudando a vida de várias pessoas de modo imprevisível. O mendigo é um contador de histórias nato e adora relatar os motivos das pessoas da cidade serem o que são em troca de café e caramelos. E enquanto Ianto compartilha várias histórias dos cidadãos da cidade com Laddy, o pedinte se recusa a contar o seu próprio conto em relação à mina Gentil Clara.

Esse livro mostra os fortes laços dessa comunidade que teve a vida marcada pelo desastre de Gentil Clara. Na obra aprendemos sobre as lealdades, as traições, os amores e as perdas desse povo. A autora Vanessa Gebbie tem pais galeses e apesar de viver na Inglaterra, conheceu bem o País de Gales durante sua infância e adolescência. O livro transborda seu amor pelo local e passa uma imagem bem autêntica daquela região, dando um charme a mais para a obra.

A caracterização dos personagens é excelente, há muitos detalhes dos indivíduos da comunidade, e ficamos conhecendo da bibliotecária até os estudantes.  O ritmo da narrativa é bem lento, a linguagem é prosaica, demorando um tempo para engrenar essa narrativa de 378 páginas. O livro é bem escrito, é mais um relato fictício dos acontecimentos de um local do que um conto tradicional com inicio, meio e fim. Aliás são vários contos de várias vidas em um só livro.  Ou seja, é o relato de vidas, do mundano e é um trabalho de arte. Algumas histórias são lições de moral, outras engraçadas, outras fofocas e algumas de partir o coração. E sobre o segredo de Ianto, você nem vai percebendo que esta juntando as peças para o quebra cabeça.

Quer alguns exemplos das figuras que você irá encontrar em “O conto do covarde”? Que tal Jimmy “Meio” Harris, alguém que “nasceu morto”, não consegue falar, mas que veio ao mundo para ser poeta. Ou Ícaro Evans, um professor de marcenaria, consumido pelo desafio de criar uma pena de madeira que possa flutuar. Também temos Tutt Bevan, um sujeito que revisita sua infância sempre andando pela cidade em linha reta. E para finalizar a demonstração de personagens, temos que falar de quem une todas as pontas da história, Laddy Merridew. O garoto recém-chegado que vai perambulando pela cidade, observando, interagindo com os moradores e escutando as histórias de Ianto, se perguntando se os relatos são verdadeiros ou não.  Em certos aspectos Laddy é uma versão mais nova de Ianto, se bem que o mendigo vê seu irmão no garoto. “O conto do covarde” é uma leitura reflexiva, obrigatória para quem realmente gosta de ler.

Nota:  4 Stars (4 / 5)

Versão resumida da resenha: Um ótimo livro sobre uma história da amizade entre um covarde e um garoto, com diversos contos intercalando a narrativa principal.

Para comprar o livro clique AQUI.

Sobre a autora

Vanessa Gebbie nasceu no País de Gales e começou a escrever em 2002. Atualmente, Vanessa vive em Sussex, Inglaterra.  Ela  já escreveu várias histórias curtas vencedoras de prêmios e publicou duas coleções, assim como um livro sobre a arte de escrever histórias curtas. “O conto do covarde” é seu primeiro romance e marca sua estreia internacional. A autora é a vencedora do prêmio Novel in a Year, do Daily Telegraph.

Compartilhe!Share on Facebook0Tweet about this on TwitterShare on Google+0
Seja o primeiro a comentar!
 
Deixe uma resposta »

 

Deixe uma resposta