3 comentários

King Desabafa, Round 2 – Doctor Sleep, Stanley Kubrick e Leitores

by on outubro 3, 2013
 

Compartilhe!Share on Facebook0Tweet about this on TwitterShare on Google+0

Mais detalhes sobre o novo livro de Stephen King, Doctor Sleep. Para ver uma outra prévia sobre esse livro  e a opinião do autor sobre produções como Crepúsculo, Harry Potter e 50 Tons de Cinza, confira nossa matéria anterior aqui. Agora vamos em frente.

O tio Stephen abriu a boca novamente em uma entrevista à BBC. O escritor americano, normalmente focado em terror e suspense, disse esperar que  quase todas as resenhas sobre o seu novo livro Doctor Sleep (ainda sem título aqui no Brasil) sejam uma comparação com a obra anterior. Algo que o deixa nervoso, pois segundo o próprio, hoje em dia ele é um homem muito diferente de antigamente. Ele disse ainda que visita sites sobre literatura na internet para saber o que os fãs estão dizendo sobre o livro mesmo antes do lançamento.

Mais uma vez o escritor ataca a adaptação de Stanley Kubrick para “O Iluminado”. King fala que o filme é frio, e tira todo o carácter humano e proximidade, algo costumeiro em suas obras. O cabra também criticou a atuação, vê se pode, de Jack Nicholson (que deu vida a Jack Torrance nas telonas), e de Shelley Duvall (Wendy nos filmes), bem essa nem o diretor gostou muito, há uma lenda de que houve cenas com ela que levaram mais de 70 takes para dar certo.

Stephen King senta o malho: “O Jack Torrance do filme parece louco desde o início. Eu tinha visto todos os filmes de motoqueiro de Jack Nicholson nos anos 60 e achei que ele estava só trazendo de volta o personagem. Já Shelley Duvall como Wendy é um dos personagens mais misóginos já colocados em um filme. Ela basicamente está lá para gritar e ser burra, e essa não é a mulher sobre a qual eu escrevi.”

O escritor revelou que o personagem de Jack Torrance é o mais autobiográfico que ele já escreveu. Já que ele é um ex-alcoólatra e expressou isso nas páginas.  Ele fala que para ele, Jack Torrance era um personagem heroico, lutando sozinho contra seus demônios, inclusive o da garrafa. Mas sério, o personagem mais autobiográfico? Tem que avisar pro King que quase todo livro dele tem um alcoólatra lutando contra seus demônios interiores, e, em alguns casos, exteriores.

Stephen King disse ter receio de que as pessoas que leram ainda jovens sua primeira história sobre a família Torrance no Hotel Overlook tenham as mesmas expectativas com Doctor Sleep. “Acho que as pessoas liam aqueles livros sob as cobertas com lanternas quando elas tinham 12, 14 anos de idade e por isso tinham medo. Meu receio é que elas voltem esperando se assustar novamente como naquela época, e isso simplesmente não acontece. Eu quis escrever um livro mais adulto”, diz o autor.

Para King, é mais difícil assustar os leitores atualmente, porque “eles estão mais espertos a respeito dos truques que os escritores e cineastas usam para provocar sustos. Quero que o público se apaixone por esses personagens e se importe com eles. E isso cria o suspense de que se precisa. O amor cria o horror.” afirma o polêmico escritor.

doctorsleepcover

A bela capa da versão americana do novo livro de Stephen King

E o novo livro? Bem, a trama de Doctor Sleep começa um ano após a destruição do hotel Overlook e acompanha o crescimento do garoto Danny Torrence. Já adulto, Danny trabalha como enfermeiro em uma casa de repouso, lá ele usa suas habilidades psíquicas para ajudar pessoas que estão morrendo a passarem deste mundo para o próximo. Danny conhece uma menina que tem as mesmas habilidades e é perseguida por “vampiros psíquicos” (por que não?), que vivem da essência de crianças como ela.

Fonte: BBC

Compartilhe!Share on Facebook0Tweet about this on TwitterShare on Google+0
comentários
 
Deixe uma resposta »

 

Deixe uma resposta