8 comentários

Crítica – Azure Striker Gunvolt (2014, 3DS)

by on setembro 2, 2014
 

Compartilhe!Share on Facebook40Tweet about this on TwitterShare on Google+0

Depois de 23 anos agraciando o mundo com as obras do robô azul (Megaman, Megaman X, Megaman Legends, Megaman EXE, haja Megaman, Megaman Zero e Megaman ZX) e participar de grandes obras como a série Onimusha, a franquia Dead Rising e a famosa saga Resident Evil, o famoso produtor de jogos e ilustrador Keiji Inafune saiu da Capcom. Hoje em dia ele tem sua própria empresa, a COMCEPT, que foi responsável por um dos Kickstarters com mais sucesso de arrecadação da atualidade, o Mighty No. 9, praticamente um clone de Megaman. Tudo isso por conta da vontade de Inafune e dos fãs de verem um jogo no estilo do Blue Bomber, o famoso Megaman, novamente. Mas você acha que a saudade de Keiji Inafune do robô azul parou em Beck, o protagonista de Mighty No. 9… Nada disso caro leitor! Inafune tem outra carta na manga para dar ao mundo mais jogos de plataforma com tiros, pulos precisos e chefes desafiadores. Exclusivo para o Nintendo 3DS, a COMCEPT e a Inti Creates (melhor conhecida pelo desenvolvimento de Megaman Zero e Megaman ZX) trazem para nós o game de side scrolling 2D Azure Striker Gunvolt. Será que a parceria entre Inafune e Inti Creates funcionará novamente? Esse texto pode te ajudar a achar a resposta.

Basicamente esse é um sucessor espiritual das séries Megaman Zero/Megaman ZX. O que não é nenhuma grande surpresa já que é feito pela mesma equipe e usa a jogabilidade desses jogos antigos como base. Contudo aqui o game te incentiva a jogar mais acelerado, você pode até ir devagar pelos cenários, mas não irá tirar o maior proveito do jogo e nem conseguirá os melhores rankings. Azure Striker Gunvolt está disponível na eshop por 15 doletas e quem comprar o game nos primeiros meses ainda leva de bônus o jogo retro estilo 8-bits Mighty Gunvolt.

E sobre o que se trata esse game? Bem, existe uma organização chamada Sumeragi Group que prende e faz experimentações em tudo quanto é tipo de super seres mundo afora. Claro que não é todo mundo que aceita isso calado, então surge o grupo rebelde QUILL para desafiar o domínio dos Sumeragi. No meio deles temos nosso herói, o usuário de eletricidade, o Azure Striker, Gunvolt. Depois da primeira missão do game, já vemos uma discórdia surgir entre o pessoal do QUILL. Gunvolt recebe a tarefa de invadir uma base dos Sumeragi e lá destruir a jovem Joule, uma garota com poderes psíquicos que estava sob domínio dos Sumeragi. O jovem se recusa a dar um fim na garota e se desvincula do grupo QUILL. Com isso ele passa a ser um mercenário, viver junto de Joule e faz diversos tipos de missões que o colocam contra os Sumeragi e fazem com que ele trabalhe novamente com QUILL. A narrativa é bem direta ao ponto, estilo shonen, com os lados do bem e do mal definidos. Porém há suas reviravoltas na história. Os personagens são divertidos e cativantes, algo que ajuda a prender a atenção. Tudo isso é apresentado num visual meio quadrinhos, com caixas estilizadas e uma arte mangá chamativa. Você pode pular a história e ir direto para a ação, mas vai perder uma parte até que divertida do jogo fazendo isso.

O game tem um gráfico 2D que lembra bem a saga Zero do DS, tudo em belos sprites. Pode parecer “pouco”, entretanto, se você lembrar que esse é um título de download, o que temos nesse pacote é bem impressionante. Claro que com o poderio do 3DS é tudo mais refinado. Mesmo quando a tela fica cheia lasers, explosões e vários projéteis o framerate do game não cai. O que conta muito a favor de Azure Striker Gunvolt.

A jogabilidade tem um que da série Megaman X, mas tira sua maior influência mesmo das super citadas Megaman Zero e Megaman ZX. Gunvolt possui um dash, pode agarrar e pular das paredes, atirar com uma pistola e, para diferenciar, ele tem o Flashfield. E é nessa última mecânica que Gunvolt se diferencia de Megaman, X, Zero, Vent e Aile. O tiro da pistola de Gunvolt causa um dano muito pequeno, ela serva mesmo para marcar o inimigo. Você pode mudar o equipamento ao longo do jogo, marcar o inimigo um certo número de vezes. Aí que entra o ás do jogo, onde para realmente você causar um dano considerável no adversário você primeiro faz o “tag” (marca) o inimigo e depois solta seu poder de Flashfield, um campo elétrico que realmente causa dor nos inimigos marcados.

Gunvolt pode manifestar várias habilidades especiais, que são adquiridas ao longo da aventura quando ele vai subindo de nível. Você pode aumentar seu poder de ataque, aprender habilidades defensivas, de cura ou que recuperem sua barra de EP, que possibilita Gunvolt utilizar seu poderoso ataque elétrico Flashfield. Além de ser o ataque mais forte de Gunvolt, o Flashfield também pode ser utilizado para flutuar. Outra mecânica diferente do game é a Afterimage/Prevasion. É uma habilidade que usa a mesma barra de EP do Flashfield e serve para desviar dos golpes dos inimigos. O problema é manter o equilíbrio entre desvio e o poder de ataque do Flashfield, já que além de utilizar a mesma barra, a Afterimage não funciona quando esta se usando o Flashfield. Como podem ver, Azure Striker Gunvolt tira seus elementos básicos da franquia Megaman da Capcom, mas traz seus próprios elementos para os jogos de “pular e atirar” 2D.

O jogo possui vidas infinitas, então mesmo se você estiver tendo dificuldade em certos pedaços não há muito problema, pois há inúmeras chances para tentar novamente. E para completar, a projeção psíquica de Joule, Lumen, se você tiver sorte, pode te ajudar quando tu morrer. Se Lumen aparecer quando você morrer, ela te ressuscita num estado “Super Gunvolt”. Isso facilita bem a vida mas vai baixar seu ranking ao completar a fase para C. Ah, e se você estiver atrás dos rankings mais altos, evite ativar os checkpoints. Quanto menos checkpoints ativos, significa mais bônus na pontuação no final da fase. Outra dica para ranking elevado é tentar completar a fase o mais rápido possível. Também é bom acrescentar que você não ganha armas dos chefões que derrota e esses adversários não possuem fraquezas definidas. Contudo, você adquire novos equipamentos juntando materiais e depois de derrotar certo número de chefes.

O jogo sofreu o corte de vozes na versão americana. Pois é, meio sem grana para a localização do projeto, a versão ocidental de Azure Striker Gunvolt ficou sem dublagem em inglês. Com isso perdemos os diálogos com os chefes durantes as lutas com os mesmos. Meio mancada, mas foi o jeito da COMCEPT e a Inti Creates lançarem o game por nossas bandas. Felizmente as músicas cantadas não foram retiradas. Falando na trilha sonora do game, ela é um primor, que era esperado. Ippo Yamada, que compôs as trilhas das saga Zero/ZX também é o responsável pela trilha de Gunvolt. Percebeu o padrão das coisas né? Se o cara esteve em Zero/ZX, provavelmente ele está em Gunvolt. Ah, um easter egg bacana do jogo é que a música da fase é trocada por uma canção da Lumen caso você alcance 1.000 kudos durante a missão. Legal, não?

O design das fases de Azure Striker Gunvolt é soberbo. Apesar de serem lineares, as fases são cheias de caminhos secretos e são perfeitas para speed runs. Na primeira vez jogando um estágio você pode até explorar o mesmo, mas a diversão real é tentar completa-lo o mais rápido possível (sim, estou que nem disco riscado repetindo isso). E como você pode escolher a ordem que irá encarar os estágios depois da primeira fase, caso fique empacado em uma, escolha outra e encare um novo desafio.

Os chefes, os Adepts (seres artificiais com poderes elementais, sim Gunvolt é um Adept também) são onde a criatividade do jogo realmente aparece. Cada um tem um sotaque e personalidade própria e seus golpes são bem distintos e criativos. Cada luta contra um chefão é memorável, o jogo já valeria apenas pelos combates contra os chefes.

Azure Striker Gunvolt - Arte 14

O visual de um dos chefes de Azure Striker Gunvolt

E o que fazer além de pular plataformas, explorar, atirar e usar poderes elétricos? Ao fim de cada estágio você tem a opção de “navegar” pelo seu apartamento. Lá você escolher desafios opcionais para realizar durantes as fases, customiza itens, vende objetos, fala com Joule e salva seu jogo. O jogo não tem save automático, então se lembre de salvar quando terminar uma fase, hein? Ah, cada fase tem uma joia escondida que você pode entregar para Joule, elas servem para algo especial, não vou estragar a surpresa agora, mas procure por elas durante os estágios.

Terminei o jogo em 5 horas na primeira vez, e fazendo uns extras teve pelo menos mais uma hora e meia de jogantina. É meio curto, te deixa com a sensação de quero mais, contudo o que é oferecido é feito com maestria e com muita dedicação para os órfãos de Megaman e Zero. E olha que ainda nem falei de Mighty Gunvolt.

O jogo bônus que é dado de graça para quem comprar Azure Striker Gunvolt até o fim de novembro de 2014 é Mighty Gunvolt. Um game paródia, no estilo Kid Dracula. Você pode escolher entre os personagens Gunvolt, Ekoro (uma personagem de um rail shooter japonês) e até mesmo Beck, sim o protagonista do vindouro Mighty No. 9. Cada personagem tem sua própria jogabilidade, Beck pode dar um dash, Ekoro flutuar e Gunvolt utiliza o pulo duplo. Isso gera caminhos diferentes entre os personagens em certos trechos, lembrando o saudoso Megaman & Bass do SNES/GBA. Esse game é bem curtinho, apenas quatro fases, mas como um mini-game diverte bem mais do que o esperado. Para ajudar, deixo aqui o aviso de que as paredes em Mighty Gunvolt são quebráveis e possuem itens secretos, no estilo Castlevania.

Azure Striker Gunvolt é uma compra obrigatória para fãs de plataforma, para fãs de side scrolling, para os fãs de Megaman e para quem curte games desafiantes. Tipo, ok, não é mega difícil inicialmente, mas tente conseguir os ranks mais altos ou o final secreto. Aí sim estamos falando de desafio. Como um trovão, Azure Striker Gunvolt vai chocar você. Compre esse jogo agora!

Nota: 5 Stars (5 / 5)

Confira nossa outras críticas de games para 3DS: One Piece: Unlimited World Red, Tomodachi Life, Kirby: Triple Deluxe, Professor Layton vs Phoenix Wright: Ace Attorney e outros.

Trailer ocidental de Azure Striker Gunvolt

Dica para conseguir o final especial (SPOILERS, leia por sua conta e risco) – Consiga as 7 joias para começar. 6 nas fases principais, as que surgem depois da fase incial, e uma no Sinner´s Row. Depois que você conseguir o final ruim, espere os créditos e o jogo vai te deixar salvar. Dê load nesse save, converse com a Joule e então você receberá o Handmade Necklace. Use isso na última fase, complete a mesma e pronto.

Compartilhe!Share on Facebook40Tweet about this on TwitterShare on Google+0
comentários
 
Deixe uma resposta »

 
  • Danyel Draken
    setembro 2, 2014 at 10:15 pm

    Esse jogo ta lindo demais. Preciso baixa-lo!!

    Responder

    • Calhorda Explosivo
      setembro 3, 2014 at 9:47 am

      O jogo é maravilhoso para quem curte o bom e velho sprite! Recomendo baixar o mais cedo possível. Primeiramente para ajudar o pessoal que fez e garantir uma sequência. E também porque se comprar/baixar até novembro desse ano você leva de brinde o joguinho Mighty Gunvolt. Que é bacaninha e no preço de “0800” mais que vale a pena hehe. Pena que ainda não saiu no eshop Brasil. Nintendo esquecendo dos outros mercados… Ainda bem que mudei minha conta para região gringa antes deles associarem a mesma ao Nintendo ID.

      Responder

  • Edilson Aparecido
    setembro 3, 2014 at 1:18 pm

    muito igual a megaman zero e megaman zx e zx advent

    Responder

    • Calhorda Explosivo
      setembro 3, 2014 at 5:25 pm

      Pois é, a equipe é praticamente a mesma e o diretor de arte é o mesmo, o talentoso Makoto Yabe. Lendo mais sobre a Inti Creates vi que o diretor desse jogo, Yoshihisa Tsuda (Inafune é um produtor promocional e consultor), gosta pra caramba de animes dos 80/90. E a grande influência para os personagens, golpes e estilo do jogo veio de animes como Cavaleiros do Zodíaco e Gundam Wing. Os mangás Fuma no Kojiro e Raimei no Zaji (obras Masami Kurumada, criador de CDZ) também inspiraram a história do game. Quem diria que Azure Striker Gunvolt além de beber na fonte de Megaman Zero, ZX e Advent, também era “filho” de Kuramada :P?

      Responder

Deixe uma resposta